Psoríase

Um blogue. Um olhar diferente.

Psoríase: sexo tem influência no tratamento

Li hoje no site BoaSAÚDE a notícia de que o tratamento da psoríase é influenciado pelo sexo do doente. O artigo é sustentado num estudo publicado numa edição do Journal of the American Academy of Dermatology que descobriu que as mulheres têm menos possibilidade de serem tratadas com medicamentos potentes no controle da psoríase do que os homens. O estudo não verificou, no entanto, diferenças entre homens e mulheres no tratamento da psoríase leve.

Um pequeno excerto do artigo que merece indubitavelmente uma leitura atenta:

[...] O estudo, conduzido por pesquisadores da Escola de Medicina Wake Forest em Winston-Salem, N. C., verificou que os homens apresentam uma “chance” três vezes maior do que mulheres de menos de 50 anos de receber medicamentos potentes para tratar a doença. [...]
Uma das causas que podem levar as mulheres a serem tratadas menos adequadamente pode ser o fato de que muitos medicamentos orais utilizados para tratar a psoríase representam risco para mulheres grávidas, segundo o autor Dr. Alan B. Fleischer Jr. Estes medicamentos podem causar defeitos congênitos ou induzir o parto prematuro.
Como resultado, as mulheres acabam por ficar em desvantagem em relação ao tratamento, não usando toda a medicação que os homens utilizam.
Os pesquisadores verificaram que as mulheres afetadas por esta doença e que estejam em idade reprodutiva recebem, com maior freqüência do que os homens, o tratamento com luz ultravioleta, que é uma alternativa aos medicamentos orais. [...]

Psoriase – Doença sem cura…?

O meu nome é Albano Soares Ferreira. Há alguns anos sofri de psoriase , doença, que na altura em que podia ser bem visível em mim, atormentou tremendamente a minha vida no dia a dia, tanto psicológica, como socialmente.

Então, não tendo encontrado disponível, qualquer resposta eficaz, que me permitisse sanar este mal de que sofria, resolvi-me por começar a aplicar simultaneamente alguns fármacos, que sabia fazerem diminuir em mim, a manifestação dessa doença.

Para facilitar a sua aplicação simultânea e nas doses mais adequadas, optei por dissolvê-los em água, obtendo assim um soluto, que por aplicação regular e continuada, devolveu à minha pele um aspecto saudável, que tenho mantido ao longo dos anos, desde essa altura.

Porém, com estas tão visíveis melhoras, desde logo me vi cercado, por pessoas, que sofrendo do mesmo mal tentavam encontrar em mim uma solução, para esse seu problema.


Assim sendo e por se ter começado a espalhar essa notícia eu acabei, por vir a ser entrevistado, pela jornalista Srª Dª Luísa Couto, para a estação de televisão TVI, que também o fez na qualidade de colaboradora do jornal diário “Açoriano Oriental”.

Esta entrevista, que por alegadas questões de programação não chegou a ser emitida, pela estação televisiva TVI, foi publicada na íntegra no jornal Açoriano Oriental, no dia 21 de Novembro de 2005, com o título: “Açoriano afirma ter descoberto cura para a psoríase”.

Foi assim, que conjuntamente com alguns esclarecimentos sobre a referida doença, com alguns métodos conhecidos, para minimizar os seus efeitos nefastos (já que, pelo menos então, não era conhecida, qualquer cura para esta doença), também saiu acompanhada de uma apreciação médica, que se tornou, desde logo e à partida descabida uma vez, que foi feita por um médico, que não tinha formação especializada, nesta área da saúde. Tudo isto, no seu conjunto, acabou por ocupar por completo, a segunda página da edição do jornal desse dia.

Achando a apreciação médica publicada inadequada, por esta não ter sido solicitada a um médico de doenças de pele, contactei a jornalista, que me esclareceu a respeito, que os clínicos da especialidade de dermatologia, não se encontravam no hospital naquele momento e assim disponíveis para o fazer.
Dado, que necessitaria de um parecer médico, para complementar a reportagem, esse fora o possível, visto aquele clínico, se ter prestado a dá-lo…

O certo é, que passados dois anos e meio sobre a publicação da referida reportagem, continuo sem me ver afectado, por qualquer manifestação visível, dessa tão traumatizante doença, que naquela altura, já se alastrara em grande parte do meu corpo, afectando-me principalmente e quase por completo o couro cabeludo e a minha cara, para além das costas. Foi por esse motivo, que nessa altura me sentira inúmeras vezes inibido de sair de casa, já que me apercebera, que algumas pessoas, principalmente as que costumava cumprimentar com um beijo, sentiam repulsa em fazê-lo…

Desde essa altura (o momento em que me considerei curado dessa doença), apenas uso, como “aftershave” e por mera precaução, um dos seus componentes diluído em água, pese embora, no resto do corpo os sinais da doença, nunca mais tenham voltado a reaparecer!

A certa altura, tendo tomado consciência, de que tinha atingido os meus evidentes limites, para continuar sozinho um caminho, que levasse a aperfeiçoar o produto, com vista a colocá-lo no mercado disponível a todos quantos dele precisassem, não hesitei em procurar outros meios, para o fazer. Foi Assim, que procurei ajuda especializada, tendo contactado telefonicamente laboratórios médicos e um dermatologista, que exerce a sua actividade profissional em Ponta Delgada, com quem me disponibilizei a colaborar. Absurdamente, todas estas “portas” me foram fechadas.

Julgo oportuno referir, que o médico dermatologista, por “alegada falta de tempo” nem sequer quis por a hipótese, de se vir a abordar esse assunto, embora ele decerto fosse do interesse de muitos dos doentes, que lhe passam pela sua consulta hospitalar ou particular, não honrando, de modo algum o juramento de Hipócrates um dia feito. Quanto aos laboratórios médicos contactados, esses informaram-me não estarem abertos, à colaboração de pessoas, que não integrassem os seus próprios quadros de pessoal…

Entretanto o tempo passou! Eu felizmente não me sinto mais vítima, de qualquer discriminação, pois hoje ninguém diria, que algum dia eu sofri de psoriase. Eu próprio ter-me-ia “esquecido” desse facto, não fora o caso de, por vezes, ser contactado por pessoas, que encontram no site www.psoriase.eu/ (page 3), ou também buscando na Google: “Açoriano afirma ter descoberto cura para a psoriase” ou ainda em”Tratamento da psoriase” – “NOTÍCIAS – PORTAL DO CIDADÃO COM DEFICIÊNCIA”, a transcrição completa da reportagem saída no supra citado jornal.

Esse, é o motivo, que me faz fazer publicar esta referência. Nela aproveito, para reafirmar a minha inteira disponibilidade, para vir a ser observado, por um médico da especialidade, que o entenda fazer e, de igual modo, dar a minha total colaboração a qualquer entidade ou pessoa, com conhecimento científico sobre esta doença, a qual possa vir a contribuir, no sentido de se poder caminhar, para o desenvolvimento de um medicamento eficiente e acessível, que permita aliviar o tremendo sofrimento, principalmente psicológico, de tantos milhões de pessoas, que sofrem desta doença – aproximadamente 3% da população mundial.

São vários os médicos da consulta externa do hospital do Divino Espírito Santo, em Ponta Delgada, que tiveram oportunidade de diagnosticaram essa doença em mim. Eles são a única prova, que poderia apresentar, de quanto eu, fui afectado por ela nessa altura, pois infelizmente (mas compreensivelmente), sempre destrui todas as fotografias, nas quais me eram visíveis os seus sinais.

É assim, que digo a todos vocês, os que sofrem desta doença, que dois anos e meio depois, da notícia ter sido divulgada, pelo jornal Açoriano Oriental, continuo (embora involuntariamente) com uma eventual solução, para o problema de muitos de vós, guardada na gaveta.

Sei o quanto custa ser alvo de descriminado social. Por isso, espero um dia não me ver partindo deste mundo frustrado, sem ter conseguido tornar úteis os conhecimentos, que adquiri na matéria, apenas, por não ter possuído um “diploma”, que me permitisse fazê-lo…

Albano da Ponte Soares Ferreira

Termas: Psoríase curada por peixes na Turquia?

Termas de Kangal na Turquia. É aqui que, supostamente, a psoríase é curada por peixes. Porém, será o tratamento tão eficaz como tanto ouço falar? Mas a psoríase não tem cura, não é verdade? Ou será que tem?
Cyprinion macrostomus e Garra rufa. São estes os peixes que alegadamente curam a psoríase nas termas de Kangal, na Turquia.
Os peixinhos milagrosos estão nas águas termais de 36-37º e, alegadamente, limpam as lesões sem infligir qualquer dor ou ferimentos, amaciando ao mesmo tempo a pele. Segundo li, é necessário tomar pelo menos 3 banhos por dia de 2 horas cada. É ainda imprescindível que se beba da água das termas, sempre de estômago vazio e directamente da nascente.
Continuo céptico em relação a este tratamento. Alguém com opinião contrária ou que já tenha experimentado?

Amaroli (Urinoterapia) cura psoríase?

Amaroli (Urinoterapia) cura psoríase? A resposta é certamente polémica e será abordada neste post, copiado integralmente de um comentário deixado pelo leitor Daniel Martins ao artigo Cura para a psoríase estará nos Açores?. Um amigo já me tinha falado deste método de tratamento perante o meu ar pasmado, confesso. Obrigado Daniel pela participação, muito importante para lançar um debate que se espera concorrido. Aqui está o seu comentário:

Se alguém já teve sabe do pânico que é ver o seu corpo escamar como se fosse uma cera de vela, na cabeça, no peito, etc. etc.
Depois de passar por inúmeros dermatologistas (mais de 10, acreditem), pomadas, etc etc. Eu conclui que eles não poderiam me ajudar mesmo e apelei para as curas naturais. E a cura estava mais perto do que eu imaginava, estava dentro de mim. Alguém me sugeriu que fizesse o método amaroli (tomar a própria urina) coisa que abominei na hora! mas depois de alguns anos, sem sucesso e nenhum dos tratamentos, com o meu caso cada vez mais agravado, resolvi tentar às escondidas. Comprei um livro que tratava do assunto para me convencer e vi que ele fazia exatamente isso, convencia, pois o tratamento é tão simples que eu resumo em uma frase: Evitar o excesso de carnes vermelhas que dão gosto ruim a urina e comer mais frutas e verduras, e então passar a tomar a sua própria urina (eu dispensava o primeiro jato que é o que limpa o canal da uretra). Deixei um copo escondido no banheiro e todos os dias passei a tomar a minha própria urina. Primeiro quero dizer que é uma experiência única, eu me senti como se tivesse aceitando o meu corpo, como se tivesse me reequilibrando naturalmente. Mas o que interessa: após algumas semanas o incrível começou a acontecer, a total cura da psoríase, sem remédio, sem gastar um centavo!!! e para os incrédulos que vão dizer que foram as frutas e verduras e a pouca carne vermelha eu digo, enganam-se, pois já tinha feito dieta semelhante sem ao menos afetar a psoriase, aliás todas as dietas possíveis eu tentei. Enfim, foi o amaroli (o tomar a própria urina mesmo. Aí comecei a lembrar de relatos, até um dia eu vi na tv, sobre isso, de tomar a própria urina, e eu assim como as outras pessoas, condenava o método achando uma aberração. Quem diria que eu um dia teria minha vida completamente mudada pela minha própria urina. O pior foi que minha mulher quando conta que eu me curei, olha pra mim e pergunta: como foi que voce curou mesmo? hehehe, até hoje não tive a coragem de contar, por isso exponho aqui para ajudar outras pessoas. Um abraço e divulguem para quem sofre desse mal ok? Obs.: falo a mais pura verdade. Obrigado.

Psoríase: Sol pode ajudar

Muito boa esta introdução à notícia Sol é tratamento gratuito para doentes com psoríase do site da JASFarma. Todos sabemos que a praia faz bem à nossa doença; no entanto, muitos dos que sentem na pele a na mente o problema passam pela situação abaixo descrita.

Os raios ultravioletas podem ajudar a minorar a psoríase mas a vergonha impede os doentes de irem à praia. Durante o Verão, os médicos alertam a sociedade em geral para evitar o sol, no entanto os doentes com psoríase são incentivados a apanhar sol uma vez que as zonas de pele afectada quando expostas ao sol podem melhorar. Apanhar sol permite reduzir substancialmente as placas nas grandes superfícies do corpo. Apesar dos benefícios do Sol, a verdade é que quem tem a doença tem vergonha de ir à praia e mostrar o corpo. Grande parte dos cerca de 250 mil portugueses que têm esta doença crónica continuam a ser alvo de rejeição por parte dos outros e por isso vivem isolados e com vergonha de uma pele que não escolheram, mas que herdaram.