Psoríase

Um blogue. Um olhar diferente.

Mudanças

Celebrámos, há poucos meses, o quarto aniversário. O artigo anterior foi o centésimo. Estes são, sem sombra de dúvida, marcos importantes neste espaço virtual que visa estreitar relações entre doentes com psoríase e que promove a partilha de experiências, com o intuito de melhorar a qualidade de vida de quem padece desta doença de pele comum a milhões de pessoas. Pessoas como eu.

E este espaço vai mudar. O próximo post já abordará todas as mudanças a que o blogue será sujeito, interna e externamente.

Fiquem atentos!

5%

Quem sofre de psoríase sente, além das próprias lesões a nível físico, o enorme impacto psicológico que a doença traz consigo.

Recordo um post trazido cá há tempos, que falava de um estudo de avaliação dos efeitos emocionais da psoríase nos doentes, levado a cabo pela Datamédica, em parceria com a PSOPortugal, Associação Portuguesa da Psoríase. Tratou-se do primeiro estudo sociológico sobre a psoríase em Portugal, auscultando o impacto do problema em 150 doentes com psoríase.

Lembrei-me deste artigo pois acabo de ler, na matéria «80% das formas de psoríase são do tipo leve ou moderado» publicado no Portal Fator Brasil o seguinte:

«[...] A psoríase é uma enfermidade crônica inflamatória, não contagiosa, que afeta a pele, couro cabeludo, unhas e mucosas e atinge cerca 190 milhões de pessoas no mundo (2 a 3% da população) e por volta de 3 milhões somente no Brasil. Porém, estima-se que somente 5% dos pacientes estejam em tratamento.»

Repare-se: 5%. É o que costumo dizer: a psoríase é de tal modo incomodativa que só queremos esquecer que ela existe.

Psoríase e auto-estima

Os doentes com psoríase sofrem — literalmente — na pele, para além das próprias lesões e demais consequências ao nível das articulações, um grande impacto ao nível psicológico que este problema provoca (é conhecida uma elevada taxa de suicídio entre os doentes).
Neste âmbito, não perca a notícia «Psoríase: Maioria dos doentes diz-se com auto-estima afectada» no Diário Digital.
Eis um excerto da mesma:

[...] A maioria dos portugueses que sofre de Psoríase considera que a doença afeta a sua auto-estima de forma negativa e prejudica o relacionamento com os outros, revela um estudo que é hoje divulgado.

De acordo com o «Estudo de Caracterização de doentes com Psoríase», da responsabilidade da Associação Portuguesa de Psoríase e a que a Lusa teve acesso, 69,8 por cento dos inquiridos assumiu que a doença afeta negativamente a sua auto-estima. [...]

Feliz 2011!

Nestes momentos de viragem de página no calendário gregoriano, importa que ganhemos energia renovada para que possamos compreender a nossa doença mais profundamente e, deste modo, consigamos viver melhor com ela.

Reitero o que digo todos os anos nos posts alusivos a este data: todos são bem-vindos a partilhar experiências sobre a doença que neste espaço nos reúne: a psoríase. Não se inibam de partilhar formas de tratamento, terapêuticas naturais, dicas, dúvidas e anseios, de modo a que possamos ajudar-nos mutuamente.

Caso queiram, poderão contribuir com artigos de vossa autoria que julguem importantes para a nossa comunidade de leitores. Se souberem de algum site que aqui não esteja referenciado, não hesitem em contactar-me. Obrigado.

Que 2011 vos traga tudo de bom! Acreditem, porque irão seguramente melhorar! ;)

Um grande abraço! Feliz Ano Novo!

Importante!

Eis o nosso disclaimer, há muito tempo publicado. É fundamental que o leiam. Por ser tão importante, tem uma página própria (endereço http://www.psoriase.eu/disclaimer/), além de estar escrito na íntegra em cada artigo, imediatamente antes da caixa de comentários.

Atenção: Este blogue visa estreitar relações entre doentes com psoríase, partilhando experiências que permitem melhorar a qualidade de vida de quem padece deste problema. Cada caso é um caso, e cada tratamento neste espaço sugerido, por mais eficaz que possa parecer, deverá ser sempre acompanhado de supervisão médica.
Não me responsabilizo por quaisquer consequências indesejáveis que surjam por uso adequado ou inadequado do referido nos artigos e nos comentários de leitores.